quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Pra onde vão nossos talentos?

Temos mais um Campeão Mundial Pro Junior, então uma salva de palmas e reverência ao nosso atual e bi mundial, Pablo Paulino!!!
Em 8 anos de competição, o Brasil trouxe 4 vezes o caneco do Billabong Pro Junior, entre eles, um record com o Pablo, sendo bicampeão, se igualando a ninguém menos que o australiano Joel Parkinson. E não pensem que é um campeonatinho qualquer, fácil de correr, muito menos de vencer.. É peleia da braba, brother!!! Os aussies tem todo aquele foco, garra e determinação desde o berço, então brasileiro chegar lá e vencer é complicado. Mas mesmo assim, temos 50% dos títulos disputados, sendo 1 do Pedro Henrique, 1 do Adriano de Souza (Mineirinho) e 2 do Pablo Paulino.

Bom, sendo assim, concordam comigo que teríamos que ter ao menos um brasileiro figurando entre os Top 5? Tudo bem, sejamos mais realistas, um Top 10 então. Mas não brothers, há tempos não vencemos uma etapa (mais exatamente, 5 anos), não figuramos entre os primeiros. Não consigo entender o que está acontecendo com o surf brasileiro, ou melhor, com o surf competitivo brasileiro. Procuro explicações em todos os lugares, mas não as encontro. Leio reportagens, depoimentos, opinões e tudo mais e cada um aponta um responsável. E não é falta de dinheiro coisa nenhum, os Top 45 do ano passado, pra vocês terem uma idéia, o que ganhava menos grana de todos eles, embolsava por mês, quase 10 mil dólares do patrocinador. Isso sem contar premiações, bônus, etc. Vão me dizer que isso não sustenta o cara pra viajar o mundo e treinar atrás de resultados.

Um dos motivos de não nos darmos bem em competições é que MUITOS dos caras mais irados hoje, estão surfando de free por aí, inovando, acompanhando o desenvolvimento do surf, e tal. Poderia ficar horas citando grandes nomes no free surf brasileiro, caras que surfam muito e lutam pra se manter como profissional no esporte. Porém não disputam campeonatos, ficam correndo o mundo atrás de ondas perfeitas e se aperfeiçoando, e isso é IRADO, queria eu poder (e ter surf) pra fazer isso!!! E as empresas apostam nisso hoje em dia também, mas tu tem que ser ninja, tem que dar resultado, cumprir teus compromisso, etc, mas claro, sem "aquela" pressão! Eles até podem correr campeonatos, mas hoje, são feras demais e estão se divertindo com o surf e a empresa apóia e aposta nisso. Eu estava assistindo ao Blue Horizon e o Rasta disse, “fui na Billabong nervoso, para propor à eles que me pagassem apenas para surfar ondas perfeitas pelo mundo todo e eles disseram que era isso mesmo que queriam de mim” fiquei de cara, imaginem. É o que muitos grandes surfistas brasileiros estão fazendo hoje em dia e acho que com toda razão. Pode ver, free surfer está sempre em fotos nos picos irados, Hawaii, Indo, Chile, México, Aus, etc. Já os tops só vão pra esses lugares quando tem evento.

Enfim, se neguinho não quer dançar conforme a música da ASP ou Abrasp (que até onde eu sei, são uma palhaçada), vão correr o mundo atrás de ondas perfeitas mesmo, estão mais do que certos, só que tem que ter surf no pé, não surfzinho meia boca que nem o apresentado no WCT ultimamente, com raríssimas exceções. Agora, se é pra se sujeitar às regras do jogo, coloquem o livrinho da ASP debaixo do braço, o surf afiadinho no pé e façam por merecer os salários de 5 digitos, em dólar ainda por cima.

Sou 100% surf brasileiro, acho que temos grandes surfistas, uma boa história pra contar e temos sim apoio das marcas apoiadoras (até pouco tempo pensava o contrário, erroneamente), pois vejam a Mormaii, por exemplo, que é 100% daqui, quantos caras irados eles tem? Os que lembro de cabeça: Julio Terres detonando geral com várias temporadas havaianas, representando a nova geração. Marco Giorgi arrebentando em todos tipos de onda, com os melhores picos do mundo no currículo. Guilherme Tripa com seu surf aerilista e moderno, voa de tudo quanto é jeito e até inventa manobra aérea, e agora conquistou seu espaço na mídia, pois seu programa está em pauta na grade da Sportv em 2008. E é claro, dois Top WCT, Neco Padaratz e Heitor Alves e o apoio a grandes nomes das ondas gigantes, como o Pato e o Burle. Fora os outros tantos que não citei (desculpem, citei um de cada "estilo"). Então, apoio tem sim!!! O que falta é vontade, garra, determinação e principalmente foco pra galera que está lá competindo e nos representando. Não quero um campeão mundial pra daqui 3 anos (claro que quero, mas sejamos realistas), quero sim é um ou dois caras figurando entre os Top 5 pelo menos e os outros entre os Top 16, no mínimo!!!

Espero de coração que isso mude e tenho esperanças que poderá mudar sim, inclusive para 2008, com os caras que estão nos representando. Vamos ver, tomara!

Grande abraço a todos e altas ondas sempre!!!

Ígor

3 comentários:

Felipe disse...

Cara, antes de dar uma passada aqui li no surfe deluxe do Tulio Brandão (www.surfedeluxe.com.br) que o Pablo Paulino recusou convite que a Billabong (seu patrocinador) fez para morar uns tempos na Australia surfando ondas de qualidade, treinar ingles e perto de indonesia e etc. Antes nego reclamava que não tinha apoio, agora que tem patrocinador investindo nos atletas brasileiros chega o campeão mundial junior e recusa um convite desses? Po, é duro ler isso quando acabamos de ver um Mick Fanning totalmente focado conquistar o seu objetivo de ser campeão mundial. Será que o objetivo do Pablo Paulino é ser campeão Junior? Então acho que o que falta aos brasileiros é seriedade, treinar sério, acreditar no potencial e encarar de verdade o surf como um esporte profissional. E bola pra frente!
Abs,
Felipe

David Campbell disse...

Ae Igor...
andei sumido mas to aqui de volta...
lendo tudo que passou aqui!
e...é mesmo triste nao ver nenhum brasileiro na elite como antigamente!
Mas tbm...eu me orgulho de ver varios brasileiros vivendo como freesurfers...sei que nao deixa de ser um estilo de surf capitalista nao é soulsurf na essencia...mas é um pouco melhor do que viver só de competição! algo tao...tao...animalesco (lembra do sunny em pipe)
rsrs é ironico....ver os campeonatos como algo "animalesco" e mesmo assim ficar vidrado na tela do pc acompanhando o streaming das etapas...apesar de ser altamente capitalista e animalesco nos amamos isso rsrs!

hahaha
(falei muito)

abraço igão!

Ígor Maciel disse...

Po Felipe, essa eu não sabia cara... Mas tá aí um dos motivos então!!!

Valeu a participação e a notícia, irmão..